COLOQUE O MOUSE EM CIMA PARA DAR ZOOM
Unidade de Supervisão de Corrente Alternada - USCA

 

As Unidades de Supervisão de Corrente Alternada (USCA’s) foram produzidas fundamentadas em modernos conceitos de engenharia e desenvolvimento e é destinada ao controle de duas fontes de energia distintas, ou seja, GMG e Concessionária de Energia Elétrica como fontes principais além de comandar o seu funcionamento segundo uma lógica pré-estabelecida.

O Quadro de Transferência Automática (QTA) é composto basicamente de dois dispositivos de conexão, tendo-se por finalidade conectar fontes CA distintas (Rede/GMG) ao barramento de carga, através destes dispositivos de conexão e sob o comando da USCA. A interligação dos cabos de potência com as fontes CA, Rede ou GMG com a carga pode ser realizada tanto pela parte inferior quanto superior do gabinete.

O gabinete da USCA/QTA INDEL é fabricado em chapa de aço #14MSG. A pintura do gabinete e demais partes integrantes, é feita na cor cinza padrão MUNSELL Nº 6,5 microtexturizada com espessura de 140 mícrons.

As configurações e elementos utilizados oferecem flexibilidade de uso em diversas aplicações.

Podem ser apreciadas como vantagens na USCA INDEL as seguintes características:

 

  1. Módulo de controle microprocessado para realizar o controle e comandos manuais e automáticos;
  2. Relógio de tempo real com bateria independente;
  3. Facilmente programável para operação automático-manual;
  4. Diagnose de comandos, ajustes e defeitos no local via IHM e remota;
  5. Histórico de alarmes, com data e hora do evento;
  6. Comunicação remota via RS-232 e RS-485;
  7. Protocolo de comunicação aberto MODBUS-RTU;

 

O sistema é dotado de alarmes que indicam ao usuário eventuais falhas no sistema. Quando um alarme é acionado, o sistema toma as devidas precauções além de exibir na tela do módulo USCA qual a anomalia do sistema.

 

 

FUNCIONAMENTO DA USCA

 

 Funcionamento manual

 

A rede poderá ser conectada ou desconectada do barramento de carga, sendo a conexão imediata, isto é, sem o tempo de retardo para comutação dos dispositivos de conexão ao barramento de carga desde que a tensão e a freqüência estejam dentro das faixas adequadas de operação.

Através das teclas do painel frontal do módulo da USCA pode-se partir ou parar o GMG de forma imediata, isto é, sem o tempo de arrefecimento do GMG.

 

O GMG poderá ser conectado ou desconectado do barramento de carga, sendo sua conexão imediata, isto é, sem o tempo de retardo para comutação dos dispositivos de conexão ao barramento de carga, porém isto somente será possível se a tensão e a freqüência estiverem dentro das faixas adequadas de operação.

 

O acionamento instantâneo das teclas do painel frontal do módulo USCA é suficiente para garantir a execução dos comandos manuais correspondentes.

 

Funcionamento automático

 

Toda vez que houver energização CC do equipamento e estando a energia comercial (Rede) dentro das características especificadas, será comandada a sua imediata conexão ao barramento de carga.

 

Quando for detectado pelo módulo USCA que a tensão e/ou freqüência da energia comercial está (ão) fora da faixa de valor especificada, esta será desconectada do barramento de carga obedecendo a temporização de rede anormal programada. Após esta temporização será iniciada a temporização de retardo de partida do GMG, e em seguida será comandada a partida do Grupo.

 

Caso a energia comercial retorne às condições especificadas durante a temporização de confirmação de rede anormal, esta temporização será cancelada e haverá comando para re-ligamento do contator/disjuntor motorizado da rede, observado a temporização de retardo para comutação.

 

Quando ocorrer tensão ou freqüência de rede fora da faixa de valores especificados e o contator/disjuntor motorizado apresentarem defeito (dispositivo não abre), não haverá o comando para acionamento do contator/disjuntor motorizado do GMG.

 

Nos casos de ocorrência de sobrecarga no barramento de carga quando o GMG estiver alimentando a carga, ocorrerá uma falha do tipo classe 2 provocando abertura do contator/disjuntor motorizado do GMG, porém não pára o motor imediatamente até que o processo de pré-resfriamento seja concluído, a sinalização local e remota permanecerá até a normalização do defeito.

 

A partida sem sucesso do GMG ocorrerá em número ajustável de até duas vezes obedecendo a temporização de acionamento do motor de arranque, havendo um tempo de descanso do motor de arranque entre cada tentativa. Caso o GMG não parta após a última tentativa, haverá uma falha do tipo classe 2 ocorrendo sinalização local de Falha na Partida e será dado o comando de parada do GMG, esta sinalização será mantida até a reposição do defeito.

 

Caso haja partida do GMG bem-sucedida, haverá sinalização remota de “GMG em Operação” vinculada a este evento.

 

A conexão do GMG ao barramento de carga será efetuada após o tempo de estabilização pré-programado no módulo da USCA.

 

A detecção de sobrevelocidade do GMG será realizada contínua e ininterruptamente, portanto se ocorrer o evento haverá uma falha do tipo classe 3, com sinalização local de sobrevelocidade e o grupo é comandado para parar imediatamente.

 

Tão logo a rede esteja com os seus parâmetros estabilizados, a USCA confirmará a volta à normalidade pelo final da temporização de confirmação de rede normal. A temporização será reiniciada toda vez que os sensores de tensão ou freqüência de rede acusar o seu retorno às condições especificadas. Ao fim desta temporização será comandada a desconexão do GMG e a conexão da rede ao barramento de carga, observando-se a temporização de retardo para comutação do contator/disjuntor motorizado.

 

Após a desconexão do GMG, a USCA colocará o GMG em funcionamento em vazio durante o tempo de arrefecimento pré-programado, se durante este tempo de arrefecimento do GMG ocorrer nova falha da rede, será executado o comando para desconexão imediata da rede do barramento de carga, isto será sinalizado local e remotamente e será efetuada a conexão do GMG ao barramento de carga após a temporização de retardo para comutação dos dispositivos de conexão, cancelando-se o procedimento de arrefecimento em curso.

Se durante o tempo de arrefecimento do GMG ocorrer algum defeito de GMG (sobre-freqüência, baixa pressão, sobre-tensão ou parada de emergência) será comandada sua parada imediatamente.

 

Decorrido o tempo de arrefecimento do GMG, haverá o comando de parada do GMG, ficando impossibilitado um comando de partida durante o tempo de parada do GMG.

 

 

Caso ocorra uma “Falha na Parada” este será sinalizado local e remotamente, impedindo um novo comando de partida do GMG até a reposição do defeito.

Ocorrendo a inoperância da unidade de controle (por exemplo, PLC), haverá a sinalização local de “Defeito” tanto na USCA como na própria unidade de controle e sinalização remota de “USCA Anormal”. Na ocorrência desses eventos haverá desconexão da fonte CA em operação do barramento de carga, além do imediato comando de parada do GMG, quando aplicável. Se a USCA perder a condição de automatismo, passará a ser controlada de forma totalmente manual através de dispositivos especiais.

 

No caso de ocorrência de falha na abertura do contator/disjuntor motorizado do GMG (dispositivo não abre), haverá a sinalização local e remota do defeito, permanecendo o GMG conectado ao barramento  de carga até a reposição do defeito. Ocorrendo algum defeito de GMG, será comandada a sua parada imediata, além da respectiva sinalização local e remota.

 

Características das classes de falha

 

  • Classe 1

 

            Apenas uma mensagem de aviso irá aparecer no display. São elas:

 

a)    Bateria anormal;

b)    Nível de combustível;

c)    Defeito na unidade retificadora de bateria;

 

  • Classe 2

 

 São falhas que provocam a abertura do contator/disjuntor motorizado do GMG, mas não pára o motor imediatamente, iniciando antes o processo de resfriamento do motor. Nos modos Manual e Teste, ou se o grupo não tiver alimentado a carga, a parada ocorrerá imediatamente após detectada a falha.

 

a)    Sobrecarga;

b)    Alta temperatura;

c)    Sub-freqüência;

d)    Falha na partida;

e)    Baixo nível de água;

 

  • Classe 3

 

 São falhas que provocam a parada imediata do GMG, independente do modo de operação.

 

a)    Sobre-freqüência;

b)    Sobre velocidade;

c)    Sobre tensão;

d)    Baixa pressão de óleo;

 

Para maiores informações sobre o produto, entrar em contato pelo telefone: (44)3218-4500 ou pelos E-mails na aba "contato".

© 2012 omegats.com.br